Porque as mulheres devem se preocupar (e muito) com problemas no joelho?

 

Certamente tanto as mulheres quanto os homens devem se preocupar em prevenir problemas no joelho. Entretanto, há um fato que talvez não seja de conhecimento de todos: os principais problemas e lesões no joelho são em geral mais frequentes nas mulheres do que nos homens.

Um dos problemas é a condromalácia patelar, muito conhecida pelos praticantes de esportes, principalmente nas academias. A condromalácia deriva dos termos chondro – cartilagem, e malattia – doença. Portanto a condromalácia patelar acomete a cartilagem da patela.

A cartilagem da patela é a cartilagem mais espessa do corpo humano. Esta cartilagem é submetida a grandes pressões, principalmente ao realizar atividades de impacto. Ao correr, saltar, subir e descer escadas a pressão sobre a cartilagem da patela pode corresponder a mais de cinco vezes o peso do corpo. O mesmo ocorre com determinados exercícios na academia, como o leg press, a cadeira extensora, o agachamento, spinning, entre outros.

 

As mulheres têm um risco aumentado de condromalácia devido a fatores biomecânicos e anatômicos, como a patela alta, o geno valgo e aumento do ângulo Q. Outros fatores que podem estar envolvidos são:

  • Excesso de treinamento
  • Erro na técnica de execução dos exercícios
  • Peso excessivo nos aparelhos de musculação
  • Encurtamento muscular por falta de alongamento
  • Desequilíbrios musculares
  • Joelho valgo (em “X”)
  • Patela alta
  • Predisposição genética a problemas de cartilagem

A artrose (também conhecida como osteoartrose ou osteoartrite) do joelho também é mais frequente em mulheres. Extensos estudos mostraram que a prevalência de artrose do joelho é cerca de 37% maior nas mulheres do que nos homens. (1,2)

Outro problema grave no joelho mais frequente em mulheres é a lesão do LCA (ligamento cruzado anterior). O risco de lesão do LCA chega a ser de 2 até 8 vezes maior em mulheres, de acordo com o estudo. (3) A maior parte das lesões do LCA ocorre sem contato, ou seja, a torção ocorre por um movimento que a pessoa faz sozinha. Geralmente são movimentos de mudança de direção ou aterrisagem de saltos que são executados de maneira incorreta. Estes movimentos incorretos, como o valgo dinâmico, podem ser corrigidos com exercícios adequados ou fisioterapia preventiva.

Os hormônios femininos, principalmente o estrógeno, também estão envolvidos no aumento de risco de lesão do LCA em mulheres, que também está relacionada ao ciclo menstrual. Os estudos são controversos, mas a maioria aponta maior risco de lesão no período logo antes da menstruação.

Como vimos, diversos fatores estão envolvidos, como fatores genéticos, hormonais, anatômicos e de composição corporal. Devemos agir nos fatores que são modificáveis, como a correção de movimentos esportivos, o fortalecimento muscular e o controle do peso corporal. Portanto, mulheres, previnam-se. Muito cuidado com os seus joelhos!

Referências:

  1. Srikanth VK, Fryer JL, Zhai G, Winzenberg TM, Hosmer D, Jones G. A meta-analysis of sex differences prevalence, incidence and severity of osteoarthritis. Osteoarthritis and Cartilage. Elsevier; 2005 Sep;13(9):769–81.
  2. O’Connor MI. Osteoarthritis of the Hip and Knee: Sex and Gender Differences. Orthop Clin North Am. 2006;37(4):559–68.
  3. Hewett TE, Myer GD, Ford KR. Anterior cruciate ligament injuries in female athletes: Part 1, mechanisms and risk factors. The American Journal of Sports Medicine. 2006 Feb;34(2):299–311.

2 comments / Add your comment below

  1. Meu nome é Ednelia, e tenho desgaste no menisco, já foi feito uma artroscopia e mesmo assim ainda continua com desgaste no menisco e artrose. Tenho também um cisto de beker no joelho esquerdo.

    1. Muitas vezes a artrose e o desgaste no menisco ocorrem juntos, e tratar a lesão do menisco, mesmo com artroscopia, não resolve o problema da artrose. Veja o outro post no meu blog “Quere é poder: como tratar artrose sem cirurgia”. Um abraço.

Deixe uma resposta